Presidente do CRO-PE discute políticas de saúde bucal com o prefeito de Petrolina Miguel Coelho

Data publicação: 22.06.2021

Responsive image

O presidente do Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE), Eduardo Vasconcelos, esteve em Petrolina, onde se reuniu com o prefeito da cidade, Miguel Coelho, para discutir políticas de saúde bucal para o município. O encontro aconteceu nessa segunda-feira (21), na sede da Prefeitura da cidade. Entres os participantes estavam o chefe da Fiscalização do CRO-PE, João Godoy, e a secretária de Saúde , Magnilde Albuquerque.
“Estamos em busca de apoios políticos para implantação do cargo de Coordenador de Saúde Bucal e da Gerência de Política de Saúde Bucal. Esta será uma grande conquista para a categoria e para a população pernambucana que precisa de atendimento odontológico de qualidade”, afirmou o presidente do CRO-PE, Eduardo Vasconcelos.
Petrolina é um dos municípios que mais investe em saúde bucal em Pernambuco. Nos últimos anos, segundo o prefeito Miguel Coelho, o município expandiu a cobertura de saúde bucal, passando de 36% para 52%. A meta é no final do segundo governo chegar em 80%.
"A saúde bucal é um compromisso de gestão firmado desde 2016. Abrimos dois Centros de Especialidades, implantamos mais de 20 consultórios novos e criamos um programa referência de atendimento a crianças de escolas públicas, o projeto Sorrisinho. O debate de ideias com o CRO é fundamental para adotarmos novas ações e conseguirmos universalizar um serviço tão importante para a população", observou ele.
O CRO-PE iniciou uma rodada de conversa com outras cidades também para tratar do assunto. E para isso, contará com o apoio do presidente da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe), José Patriota, que vai intermediar encontros com os gestores municipais.
O CRO-PE ainda tratou com o gestor municipal sobre a importância do cumprimento da Lei nº 3.999/61, a qual estabelece um piso mínimo salarial de R$3.300 para 20 horas de trabalho. Em diversas cidade pernambucanas, as prefeituras municipais não têm cumprido o exposto na lei, o que judicializa o processo de trâmite de editais de concursos públicos e seleções simplificadas. “A judicialização prejudica principalmente a população que fica sem atendimento odontológico nas unidades de saúde. Cumprir a lei do piso é o mínimo que deve ser feito pelas gestões”, acrescenta o presidente do CRO-PE.
Câmara - Na passagem por Petrolina, o presidente do Conselho Regional de Odontologia de Pernambuco (CRO-PE), Eduardo Vasconcelos, e o chefe da Fiscalização, João Godoy, ainda visitaram a Câmara de Vereadores da cidade e discutiram com os parlamentares da situação a importância de criação do cargo de Coordenador de Saúde Bucal.



© 2021 cro-pe.org.br Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por